1 de outubro de 2013

Cura: para o político ou para o povo?

         O Brasil começa a viver, finalmente, novos tempos políticos. O povo acordou com o pé direito e resolveu ir para as ruas exercer o poder que é seu, por direito, e infelizmente estava esquecido por alguns anos. Algo que parecia tão pequeno, se tratando inicialmente de uma manifestação quanto ao aumento das tarifas de ônibus, foi tomando enormes proporções.  E de repente, como se já não tivessem coisas suficientes a serem protestadas, lá vem aquele turbilhão de projetos-leis polêmicos, guardados nas gavetas do congresso nacional há anos.  Mais algumas doses de indignação para a população continuar protestando, dentre eles PEC 37, “Ato Médico”, “Cura Gay”.
         É então que vem a “Super Dilma”, e faz alguns vetos importantes salvarem a nossa política; as nossas profissões (profissionais de saúde, exceto médicos) e acima de tudo a nossa saúde, a saúde da nossa população, que já passava por “maus bocados”, não precisava de nada mais que não fosse para somar, “benditos vetos”! Nem “tão benditos assim”, quando entrou em questão a “Cura Gay”. Bastante polemizado pela mídia, tenho que concordar, mas também, com seu fundo errôneo e preconceituoso por traz dessa lei, dito por especialistas. De um jeito ou de outro, essa presidente, cujo “pau de galinheiro” se achava limpo frente a ela, conseguiu melhorar sua imagem naquele momento de grandes manifestações, em que até impeachment era cogitado pelos populares.
         Alguns ouvidos, e resolvidos, outros apenas ouvidos e mais alguns nem isso, assim findou-se os protestos e manifestações pelo país. Não por acaso, nossa presidente e toda a corja daquele congresso, começa a parecer se importar com a população, ou com a derrubada dos seus poderes, outra possibilidade. O que a pressão popular não é capaz de fazer? Eis, a pergunta que perdurou.  Coisas surpreendentes começam a acontecer, a PEC 37 cai, e todos que eram a favor no congresso passam a comemorar a derrubada desse projeto-lei, no mínimo irônico e asqueroso, tamanho ao cinismo deles; corrupção passando a ser crime hediondo; preocupação com quanto à falta de médicos em regiões carentes do país, e a superconcentração em grandes centros, e para sanar essa carência, o surgimento do polêmico programa Mais Médicos.
         Que venham então, dispostos a cuidar da saúde da nossa população carente, que por azar de não terem nascido em grandes centros e estarem distribuídos geograficamente em regiões paupérrimas, em que se a alimentação já é escassa, “saúde nem se sabe o significado”. Venham para somar com o nosso país! Criticados ou não, mas venham, e tenham a delicadeza com a saúde da nossa população, que os nosso não estão tendo! Era o que deveriam ser dito, ou pelo menos parecido, a esses médicos vindos de Cuba. Mas, a boa parte, preferiu fazer críticas ridículas e de péssimo gosto.  Um bom exemplo disso, melhor dizendo, “um péssimo exemplo disso”, temos nas palavras absurdas de uma jornalistazinha, postada em sua rede social: "Me perdoem se for preconceito, mas essas médicas cubanas tem uma cara de empregada doméstica. Será que são médicas Mesmo?”. É o tipo de coisa, que até só em pensamento deveria ser crime.
         Eis, um grande ponto polêmico, se o governo não faz nada, tá errado (e tá mesmo), mas se faz, continua errado! Um pouco extremista, mas é pensa, a população na maioria das vezes. O fato é que muitos esquecem que esses médicos cubanos, tão taxados, vieram para ocupar vagas em locais, onde os médicos brasileiros, “os semi-deuses”, não querem ir, nem por salários altíssimos, e quando vão atendem no máximo, uma poucas horinhas uma vez na, isso com muita sorte! Ganhando como se tivesse trabalhando quarenta h/s. Mesmo tendo jurado proteger a vida humana em qualquer circunstância! E Claro, que não pode ser generalizado. Pois, existem uns poucos que fazem jus a seu juramento, deixam de ter o próprio umbigo como foco, e se importam mesmo, com a saúde da população, não somente com aqueles que podem comprar a importância que merecem.
         Em meio a tudo isso, surge então na mídia denúncias de médicos que só assinam o ponto e ganham suas pequenas fortunas do nosso dinheiro sem sequer tocar no paciente. Digo mais, sem sequer ficar em seu local de trabalho para saber quantos sãos os pacientes, quantos estão precisando de seu atendimento e o porquê de estarem! Médicos em que a missão do seu dia se ressume em assinar o ponto e correr para fazer o mesmo procedimento em várias cidadezinhas próximas, onde o sua atribuição mais trabalhosa é ir ao banco no final do mês e receber pelo que não foi trabalhado.
          Outros profissionais da saúde também realizam proezas parecidas. Exemplo disso é um fisioterapeuta visitar um município, uma única vez por mês para atender a população, enquanto recebe para passar 20 horas semanais. “Ele finge que atende, o paciente finge que acredita que vai melhorar, às vezes até acredita por desconhecimento, ou porque é o que resta, e acaba gerando descrédito da profissão e danos ao paciente. É uma pena que o dinheiro na conta deste mau profissional, no final do mês não seja fajuto, como o seu trabalho ou a falta dele. Mais um profissional recebendo pelo o que não foi trabalhado.
         Muitos profissionais botam a culpa no sistema, e em várias outras coisas. Mas, esquecem que o problema não está só no sistema, não está só na discrepância de salários dos profissionais de saúde e desvalorização dos mesmos, não está só nas estruturas dos hospitais e postos de saúde, a reforma não pode ser só nisso, tem que ser reformado também, os valores das pessoas, esses também estão por demasia escasso.

         Felizmente, esses “profissionais” não são maioria, ainda há muita gente boa e competente com vontade de trabalhar de verdade. Eu penso, que gente que não honra seu ofício, que fura fila, que compra coisas roubadas, que não sede lugar no ônibus aos idosos, que só pensa em “se dar bem”, que não dá bons exemplos aos filhos, não tem direito de criticar um político corrupto e muito menos o governo falho. Já que, estando na mesma situação de poder certamente cometeriam os mesmos erros, pois mesmo não estando, comentem parecidos. De fato a ocasião não faz o ladrão, ela só o revela! Assim, bom mesmo seria viver num mundo de pessoas esclarecidas, honestas e tra-lá-lá, mas, enquanto infelizmente, não é possível, vai cada um fazendo a sua parte. Se bem não fizer, mal também não há de fazer!

17 de setembro de 2011

"Cuidar para Ser"


A crise de identidade é algo que vem afetando o ser humano neste inicio de século, pelos mais variados motivos, dentre eles: financeiros, místicos, profissionais e etc. A boa parte da população, foi desprendida, de um modo ou de outro, por n motivos, ao verdadeiro sentido do cuidar, e até daquilo o qual realmente devem cuidar, que deveriam ser: o ser próprio e o planeta em que este ser vive e mais e mais pessoas buscam respostas nas mais diversas fontes, querem respostas do porquê o homem agride tanto seu planeta suas crianças e suas mulheres, e além de tudo o seu próximo.
 Diante disso tudo, alguns podem até perder a cabeça. Outros tantos já até desistiram, e preferem uma postura negativa. Mas, mesmo não sendo algo tão simples, temos que buscar soluções para o problema, que nós mesmos criamos. Não é simplesmente dizer que é errado, julgar e não tentar ser sensato com tais pensamentos, mas sim, é agir como tal. Já que cabe a cada um fazer sua parte e manter os verdadeiros laços, e significados do cuidar, vivos em nosso dia-dia
É ser um profissional e arcar com o que lhes foi imposto e o que você se submeteu a fazer, e fazer bem com o cuidado necessário e devido, é ser um filho e agir com o cuidado necessário e devido, é ser mãe e também agir com o cuidado que tal deve ter, e cada um em seu modo de viver, em seu modo de fazer, como que faz, e é imposto a fazer, que seja sempre com o cuidar do outro, o cuidar do meio ambiente, o cuidar do planeta em si.
Cuidar não somente, em ser meticuloso, com algo, mas sim ter responsabilidade com algo ou alguém, tratar o outro como você gostaria de ser tratado.
 Durante toda a evolução do homem, os seus conceitos vieram mudando com seu modo de ser-no-mundo, como: modo de ser trabalho e modo de ser cuidado, respectivamente em que um, o homem modificando a natureza, a adequando de modo, a tornar sua vida mais cômoda, e em outro modo que não olha o ser como um objeto modificável às nossas conveniências, mas sim como seres-sujeitos, cheios de características: com sentimentos, pensamentos  e valores. O mais adequado, obviamente, seria tentar manter o equilíbrio entre o ser cuidado e o trabalho, de modo a não deixar o modo trabalho se sobrepor ao cuidado.
 Algo bastante frequente em clínicas de fisioterapia, públicas, ser observadas situações de sobreposição entre o modo trabalho e o modo cuidado. De modo que, o fisioterapeuta frente a pouca remuneração por atendimentos acaba atendendo um número exorbitante de pacientes a cada 15 minutos no máximo, deixando de dá o cuidado necessário, a cada um, sem respeitar a individualidade dos mesmos, dentre outros princípios bioéticos em jogo. Deixando de executar o plano de tratamento necessário e até mesmo usando simultaneamente, como TENS E infravermelho, pondo em risco então, o paciente.  Com intuito de ganhar mais tempo, para seguirem para outro emprego. Exemplo, do modo ser, trabalho,  sobrepondo.
Essa realidade é bem próxima a nós. Profissionais, desrespeitando a tal ponto seus pacientes. Deixando de ter o cuidar necessário e devido, visando o seu próprio lado em termos financeiros, sem se preocupar com nada além do tempo e da remuneração do hoje. Sem se importar com o ser como portador de princípios e valores, e o mais importante com a vida do outro.  No entanto, isso pode ser modificado, só depende de cada um e seu balanceio do ser trabalho e o cuidar, refletindo “no seu ser com o seu ter.”





5 de agosto de 2011

Fim do Começo


...e por fim,  esse é um fim de todo o começo. Começo do amor que eu nunca senti, começo de me sentir parte de outra parte, começo de saber, ou achar que havia mais que eternidade simplesmente em te olhar, começo de uma experiência meio louca, que por sinal foi muito boa! 
Sem falar naquele beijo...e que beijo era aquele !!? E por fim, não mais que o fim do começo, não mesmo. Menos triste me sentiria se ao menos fosse o começo do fim, pois assim eu teria até mais tempo para pensar, ou no mais, teria mais tempo nesse fim de todo o meu começo.
O começo que eu tanto amei, apaixonei-me, e que até vivi intensamente e por que não dizer perigosamente? se eu não pensar no hoje, foi de tudo o mais perfeito e  o mais belo, mas não posso mais adiar, e me enganar que ainda estou no começo do fim, porque o fim do começo é esse, e o tempo já não é mais aliado de minhas palavras.

Ass. Flávia Sabrynne


Ah! Vem pálida virgem, se tens pena de quem morri por ti, e morre amando.
Da vida em teu alento à minha vida;
Une nos lábios meus minh'alma à tua!
Eu quero ao pé de ti sentir o mundo na tua alma infantil; 
Na tua fronte beijar a luz de Deus; 
Nos teus suspiros sentir vibrações do paraíso;
E a teus pés, de joelhos, crer ainda;
Que não mente o amor que um anjo inspira,
Que eu posso na tua alma ser ditoso,
Beijar-te nos cabelos soluçado,
E no teu seio ser feliz morrendo!


(Álvares de Azevedo)

22 de junho de 2011

Propaganda Enganosa


Quero devolver essa vida oca!
De aventuras e amores de um beijo só.
É, não quero mais.
No anúncio dizia que ia ser bom,
que a quantidade seria tanta
que a qualidade não faria falta...
Propaganda enganosa.
No começo foi até bom,
mas, depois falhou, perdeu a graça.
Quero meus suspiros de volta,
quero o nervosismo, quero o ciúme,
quero o descontrole emocional,
quero a certeza da companhia
e o peso do compromisso.
Eu quero amor, puro e simples
que me perturbe e me roube o sono,
e que seja meu!
E não me venha com promoções
“imperdíveis” de 3 por 1.
O que eu quero mesmo
é devolver essa vida oca!

3 de junho de 2011

Um Pouco sobre a Fisioterapia


A Fisioterapia é a ciência que estuda o movimento humano e que utiliza recursos físicos na prevenção e reabilitação do indivíduo. No âmbito da saúde, a Fisioterapia está voltada para a análise da estrutura e mecânica do corpo humano, além de estudar os efeitos benéficos dos recursos físicos e naturais sobre o organismo humano. Sendo esta a área de atuação do profissional fisioterapeuta, que é uma formação superior, onde o mesmo é capacitado, a avaliar, reavaliar, prescrever órteses, próteses, tratamento físico, dar diagnóstico cinesiológio-funcional, prognóstico, intervenção alta, além promover a qualidade de vida dentro de suas competências.
É um campo de atuação relativamente novo, quando comparada a outros tais como, medicina, direito, etc. No entanto, desde a antiguidade, há relatos sobre utilização de agentes físicos (luz, calor, água e eletricidade) como meio de aliviar a dor. Esses agentes são os mesmos, que hoje são utilizados, dentre outros recursos na prática fisioterápica, visando não somente reabilitar, como é estereotipado pela mídia, mas também, diagnosticar, prevenir os distúrbios da biomecânica e funcionalidade humana decorrentes de alterações de órgãos e sistemas do indivíduo.
Na década de 30 no Brasil, a Fisioterapia não era tida como um campo de atuação regularizado, no entanto era realizada por médicos denominados “médico de reabilitação”. Alguns anos depois, durante Segunda Guerra Mundial, a fisioterapia alavancou, pois foi muito utilizada, com a finalidade de reabilitar os lesados, ou mutilados que necessitavam readquirir, o mínimo de condições para retornar a uma atividade social integrada e produtiva.

Em 1951, foi realizado o primeiro curso para formação de técnicos em Fisioterapia pela Universidade de São Paulo, já em 1963 a Fisioterapia se tornou um curso superior, mas a atuação dos fisioterapeutas estava subordinada aos médicos. Somente em 1969, com o Decreto Lei 938 de 13 de outubro, que a profissão de fisioterapeuta foi regulamentada. Desde então, o fisioterapeuta se tornou independente e vem ganhando mais respaldo, reconhecimento e cientificidade de sua prática, dentro de seu campo de atuação, dentre eles ortopedia, gineco-obstetrícia, dermatologia, UTI, neurologia, cardiorrespiratória, além de outras áreas de especialidades desse profissional.
Ass. Flávia Sabrynne de Aguiar Freitas



15 de fevereiro de 2011

Sua Ausência


A sua ausência me corroi;
corroi minha alma,
corroi minha esperança,
corroi a minha existência!
A sua ausência me deixa ausente,
mesmo com qualquer presença,
essa presença não é a sua, então ela não há!
Não a sua!
A suficiente.... 
Aquela que a minha presença necessita...
Deveras ela não há!
não há de  me fazer bem,
não há de engrandecer meu espírito,
Tampouco, de arrancar um riso, 
sem com q eu saiba de onde ele vem!
não há de me fazer sentir completa ,
como a sua presença me faz!

Ass. Flávia Sabrynne

Poema do Desamor

Que saudade do amor que não sinto mais,


Do frio na barriga, das mãos suando


E do coração acelerado e até


Das discussões, da agitação e da constante

inconstância, mas agora


a tua presença já não perturba


E sinto falta da dor


Que a ausência outrora causou


Porque o beijo teve gosto de amor


Novo, e você foi mesmo


O que nenhum outro jamais será.


Nem mesmo você outra vez.

[...] Pois é.


10 de dezembro de 2010

O preço da bosta!

Hoje eu tive vontade de escrever sobre a futilidade de algumas pessoas, e da minha indecisão entre ter pena ou nojo disso tudo. Porque na realidade essas pessoas vivem num mundo do qual a realidade não faz parte. É um mundo onde ter e/ou parecer, é muito melhor do que ser, onde o seu caráter e a sua personalidade valem bem menos do que o sapato que você está usando, onde freqüentar festas “bem selecionadas” é uma oportunidade imperdível. Ser “descolado”... Mas que po##@ de estereótipo americanizado é esse???? Alguém por favor, me explique, por que é tão importante assim pagar tão caro por uma etiqueta? Que espécie de gente idiota, alienada paga por um pedaço de papel? Ou que acredita mesmo ser melhor que os outros porque “finge” ser rico, que mede o valor das pessoas pelo que elas podem ou não oferecer. E digo mais, citando Rita Lee, “TUDO vira bosta” então no final das contas você pagou por um monte de merda, não mais do que isso. O capitalismo é a besta fera e ainda abriu a Caixa de Pandora, largou no mundo todas as mazelas que nós conhecemos. Pouquíssimas são as pessoas capazes de se manterem, por opção, distantes desse mundo ridículo, criado sei lá por quem e seguido por uma quase unanimidade, burra. O pior dessa ladainha toda é que eu continúo sem saber se sinto pena ou nojo disso tudo.

7 de novembro de 2010

Esse Mundo Louco



Passamos muitas vezes, despercebidamente pela vida. E dessa forma tão desatenta deixamos de ver coisas importantes e o mais importante de todos, pessoas importantes ou até mesmo não as valorizamos. Essas sim nos fazem refletir um pouco, sobre o quão perto podemos está de pessoas por demais incríveis, pessoas com quem temos muito que aprender, que tem muito a ver  conosco ou até mesmo é tão diferente, e ainda assim nos completa de um jeito estranho e especial. Em alguma dessas vezes,  também temos muito o que ensinar, além de aprender. E o que seria da vida senão o aprender e o ensinar? Parece que nada faz o mesmo sentindo sem...

Correria de casa para faculdade, da faculdade para casa, da casa para o trabalho, do trabalho para a faculdade, enfim esse mundo louco nos sucumbe a viver seguindo uma linha “reta, que na maioria das vezes é torta", ah mas, quem liga? A sociedade traça só cabe a nós seguir! (será mesmo?) E quando seguimos, o viver acaba se tornando uma obrigação.
Passamos preciosas horas de nossas vidas estudando para ter um bom trabalho, tendo um bom trabalho para ter dinheiro, tendo muito dinheiro para ter “uma boa vida”. Mas, e “essa boa vida”? “Essa boa vida” não foi aquela, que o dinheiro e tudo isso que está intimamente ligado ao “fazer para ter” nos vai roubar ou mesmo já roubou? Sim, ela mesma.

O fato é que isso nos faz por demais desatentos! E essa desatenção chega a ser irRitante. Vamos simplesmente abrir os olhos e olhar para aquela pessoa que sempre está perto nos apoiando sempre e dizer o quanto ela é importante; olhar para o pai e para mãe e dar aquele abraço apertado e dizer o quanto, os amamos; pegar o namorado (a) e dar aquele beijo apaixonado sempre que pudermos e quando não pudermos daremos algo mais; prestar mais atenção nas pessoas legais que sempre estão pertinho e às vezes nem percebemos, que se importam conosco ou até mesmo que são tão legais, e é abrir os olhos e Tchanram... Elas se importam e muito!

Vamos ligar para  nossa melhor amiga, sempre que não pudermos está perto, mesmo que seja só para saber como foi a festa que ela foi ontem, mesmo que você saiba que ela apenas vai dizer: eh, foi boa! E mesmo assim, mostre empolgação; Vamos falar com aquela pessoa no messenger que não costumamos falar e talvez  descubramos alguém muito importante, mesmo que esse alguém não seja o dono desse email e esteja ali por acaso.


Ass. Flávia Sabrynne

25 de outubro de 2010

Resposta

Cada lágrima era uma gota de amor

que caía no chão e secava,

foi assim que acabou!

(Não tinha lágrimas suficientes

pra amar a vida toda)



4 de outubro de 2010

Lástima

Outro dia ouvi uma frase sínica de uma pessoa sínica que assim dizia: Pra se fazer política é preciso fazer politicagem...
Esse é o tipo de gente, bem intencionada, que temos, que elegemos, que contratamos pra cuidar do nosso dinheiro, da nossa educação, da nossa saúde, do meio-ambiente e todas aquelas outras coisas, que ouvimos todos os dias nos jornais, que lemos nas críticas dos artigos etc.
Mas, iaí??
Nós vamos continuar botando esse tipo de gente no poder, e isso é nada menos que um absurdo e todo mundo acha normal. Dizer que politicagem é um mal necessário é perder completamente a fé nas pessoas, é desistir de acordar um dia e ver pessoas educadas se cumprimentado ao invés dar um tiro no outro por causa de uma confusão no transito, confusão essa causada por estradas, ruas e avenidas mal planejadas...
Fala-se tanto em educação, mas ainda hoje existem lugares no Brasil em que crianças assistem aula em baixo de uma árvore... (sem comentários).
Não é nada interessante pra um político corrupto melhorar a educação, mentes pensantes são perigosas demais, bom mesmo são famílias inteiras que pensam que um milheiro de tijolos em troca de um voto é um excelente negócio, “mais um eleitor satisfeito”.
A gente precisa acordar e acordar as pessoas ao nosso redor, investigar a vida dos candidatos pra ter certeza que aquela criatura tem competência e honestidade necessárias pra tomar conta do futuro da gente.
Ao invés disso, a população resolve fazer o que seria, na melhor das hipóteses, o protesto mais burro da história desse país, votar no TIRIRICA (Candidato a Deputado Federal e eleito com mais de 1.300.000 votos).
O voto foi um direito duramente conquistado por pessoas que realmente se importavam com a liberdade de escolha, que acreditavam que era possível melhorar o Brasil. Muitos pagaram com a vida por essa liberdade que hoje é vista e aplaudida como piada. Eu queria saber o que é que falta pra esse povo acordar, dinheiro na cueca? Nas meias? Escândalos de corrupção que vem a público todos os dias? Palhaços se elegendo e Mulheres Fruta se candidatando?


Ahhh é tudo isso a gente já viu ...! Sem mais.


30 de setembro de 2010

Acessibilidade


O povo da UFPI (Parnaíba) pensa em tudo!
 Tudo para o bem dos acadêmicos!


Segundo Aley:  Rampa para cadeira de rodas com duas rodas ( seta preta) e para a de uma roda (seta laranja).

30 de agosto de 2010

“O Tanto Fazer"

Dias que parecem não ter sentido...
O raio que outrora partia meu corpo em pedaços indivisíveis,
hoje é apenas mais um raio, que passa por entre meu corpo sem
me dar qualquer sensação . Apenas mais um raio!
A Tempestade que banhava meu rosto com sangue pela força
de suas gotas,  hoje apenas, escorre em meu corpo sem me dar qualquer sensação.
Apenas mais uma tempestade!
Dias cinzas que me deixavam um vazio, hoje agem de forma invertida.
E esse “tanto fazer” tão incessante me tira a paz, tira-me a vida!
E enquanto ela passa, eu apenas a observo de longe
entorpecida  com o “ tanto fazer” de tudo.

ass. Flávia Sabrynne

14 de agosto de 2010

Não é Só Isso

Não é só seu toque,
Não é só seu olhar,
Não é só o seu sorriso,
Aquele sorrisinho lascivo
e meigo, meio de canto,
que tanto me encanta e
instiga, a não fazer mais
nada senão te olhar e
olhar cada vez mais.

Não é só seu jeitinho 
possessivo e fofo de falar
comigo, que me entorpece
e instiga a não fazer mais 
nada senão te ouvir e te
ouvir, cada vez mais e mais.

Não é só o seu cheirinho.
Ah, o seu cheirinho!!
Aquele cheirinho gostoso
que você deixa por onde 
passa, em tudo que toca,
e que deixou impregnado 
no meu ser.

Não é só isso!
Não é nada disso!!
É algo bem mais além!

Algo indizível, que me une
a você, cada vez mais e mais.
Algo além de orgulho,
ou princípios.
Algo que me faz rir e chorar.
Algo que me faz tocar um
MPB e um rock 'n' roll, ao
mesmo tempo.

Algo tão louco que me
aproxima e me afasta de você.
Algo que me deixa dúvidas e 
me esclarece muitas coisas.

Algo que só não me faz
sentir melhor, devido a tantas
lacunas impreenchíveis.

Algo que me surpreende e me
faz feliz, enquanto me decepciona.
Algo que quero arrancar do 
meu peito.
Mesmo que, sem esse algo eu não
consiga sobreviver.

ass.Flávia Sabrynne



12 de agosto de 2010

Papéis Perdidos


As coisas mudaram tanto...
Saí do nível médio, de um colégio que na época ainda era considerado “médio”, onde passei os melhores anos de minha vida. Conheci e convivi com pessoas que muito me acrescentaram, nesses anos tão curtos, e como tudo que é bom, com esses anos não  aconteceria diferente, e eles logo passaram.
E para minha sorte, aqueles bons anos passaram, mas deixaram-me não só amigos, mas sim uma família... Famílias essa que foi perdendo seus laços aos poucos. O que era costumeiro, fora se tornando algo casual, quase que anual, e cada encontro era muito especial para cada um de nós; não que estar com  essas pessoas sempre, não fosse especial, apenas que esses momentos acabaram se tornado singulares, como a singularidade que cada um representava ou ainda representa.
Eh, todo nós mudamos!!!!! Hoje estou no nível superior, com a cabeça talvez não tão superior ainda, alguns mudaram de nível comigo, mesmo “não tão comigo”, como eu gostaria. Outros mudaram seu foco na mudança de nível e foram atrás de rumos diferentes do meu. E nesse meio de amadurecimentos e criancices, houveram perdas. Perdemos alguém muito importante. Um anjo que veio e nos deu muitas lições de vida, e que agora nos olha lá de cima. Lições que às vezes deixamos de lado, por bobagens.
Enfim, com todos esses caminhos diferentes ou mesmo “diferentes em suas semelhanças”,com amigos diferentes, e pensando mais diferente ainda do que um dia pensamos, e nos distanciando a cada dia mais. Queria eu, poder passar mais tempo com todas essas pessoas e dizer sempre o quanto elas  são importantes, para mim; o quanto eu queria poder estar mais próxima delas e dizer o quanto as amo; o quanto elas fazem bem para mim. E na maioria das vezes, só nos damos conta do significado e singularidade de cada pessoa em nossas vidas, quando já é por demais, tarde, e tudo parece perdido.

ass. Flávia Sabrynne

21 de julho de 2010

Texto Inútil

Eu sento pra escrever sobre como os homens são cafajestes, mentirosos, enganadores, e todos aqueles outros adjetivos que nos mulheres estamos cansadas de dar a eles, e não adianta ouvir as amigas ou ler um livro ou texto de autoajuda os bons conselhos passam direto, mas as babaquices que eles contam entram e se alojam no lugar que deveria ser reservado para as verdades. A gente jura que está vacinada, aí aparece um desgraçado que prova por A+B que essa “vacina” mágica que repele os mentirosos, simplesmente não existe, ou perdeu a validade.

Resolvi então escrever sobre a nossa burrice (e NÃO peço desculpas, pois se a carapuça servir...), porque vamos combinar que no fundo nos sabemos quando estamos sendo enroladas e fazemos questão de fechar os olhos, os ouvidos, o nariz, os poros e por ai vai... Só pra poder ficar perto de alguém que não dá o menor valor, para as horas que você passa cuidando do cabelo pra que esteja perfeito, quando ele chegar, ou a maquiagem que você aprendeu, ou não, na TV e que realça seus olhos, pra que ele te ache mais atraente que a popozuda com um microshort que acabou de passar e que ele sem demonstrar respeito nenhum, quase quebrou o pescoço pra olhar. O máximo que ele faz é reclamar pelo seu atraso.

Isso sem contar as vezes que você liga e ele da uma desculpa qualquer pra não falar com você, que faz uma merda e depois manda uma mensagem ridiculamente piegas todo arrependido e o que você faz? Acredita. Pra eles isso é como dar a descarga tipo manter o lugar limpo pra próxima vez entende?

Pois é alguns chamam essa burrice de amor, também conhecido como cegueira e tem outros nomes que eu não lembro, se você ainda não foi infectado um dia certamente será, mas quando você se curar não pense que estará imune, vai acontecer de novo, e de novo, e de novo isso é fato. Eu sei que você não dará a mínima para o que vai ler e mesmo assim eu vou escrever. Pense antes de acreditar nele, se coloque no lugar dele, o que da a ele o direito de errar e ser sempre perdoado, quando você faz tudo agrada-lo? Exija dele a mesma atenção e consideração que você da, seja firme nas suas decisões e ele te respeitará só que pra isso você não pode esquecer a pessoa mais importante pra você que é você mesma.

30 de junho de 2010

Só de longe

Quero te ver... de longe

Melhor, quero te ver de perto (...)

Melhor ainda

Quero te ver tão perto que eu precise fechar os olhos

E não te ver mais

Pra poder sentir com mais

Intensidade o calor da tua respiração

Se misturando com a minha

Até... Que essa minha querência

Culmine num beijo que me alimente por

Mais um tempo

Até que eu perca novamente o controle

E sinta essa vontade de te ver de longe...

26 de junho de 2010

Liberdade renunciada

Ao invés braços pedi asas


GPS? Não, me guio pelo coração


A vida é errante, às vezes “acertante”


Quase um nômade


Ela não é correta, mas é a vida certa


E agora eu quero tanto que você venha comigo


Que eu seria capaz de ficar


Só pra não deixar teu cheiro


Fora do meu pulmão


Tua imagem fora dos


Meus olhos


O som da tua voz


fora dos meus ouvidos


Largaria minha liberdade e


Prender-me-ia a você


Até quando, eu não sei


Mas hoje, poderia ser


Pela eternidade, eu não


me importaria.

6 de junho de 2010

Grito

Não preciso fingir q esta tudo bem, não está


não existem amores mal resolvidos,

o que existem são amores

que simplesmente ainda existem,

mesmo que ao redor dele só se

ouça um grito desesperado

anunciando que ele já deveria ter acabado.

Maldita fênix que insiste em renascer,

maldito amor que insiste em não morrer,

maldita dor que não passa,

maldito esquecimento que não vem

e que provavelmente nunca virá

maldito amor "mal resolvido".